domingo, 15 de abril de 2012

Páscoa..... e todos as lembranças

"Do hebreu Peseach, Páscoa significa a passagem da escravidão para a liberdade."

"Do hebraico Pessach, significando passagem através do grego Πάσχα"

"Da Lina Páscoa, significa exercitar ainda mais a generosidade e recordar todos os momentos semeados com amor"



Minha avó tinha um ovo de avestruz todo revestido por um trança bem fina, feita de papel crepom pendurado num canto da sala, minha mãe que tinha feito em alguma Páscoa passada.
Toda vez que vejo sobre os ovos pintados de outros povos, extremamente belos, artísticos. Alguns ocos, outros cozidos.
Nem sei se existia esses ovos de chocolate de hoje em dia, desconheço mesmo. Sei que era uma data esperada porque tínhamos surpresas que minha mãe fazia. Minha mãe é a irmã mais velha de 7 filhos, mas por muitos anos ela e minha tia Branca eram as "feitoras da Páscoa".



 


Lembro que nunca jogavam a casca de ovo fora e a abertura era mínima, passavam água e deixavam secando. E durante o ano inteiro isso era feito, cascas secas eram guardadas.Quando me lembro dessa época fica impossível não ver minha mãe e a tia Branca trançando aquelas tirinhas finas de papel crepom colorido. No começo do mês de agosto elas começavam a enfeitar os ovos. Alguns elas recobriam todo o ovo, faziam  alça e a tampa !! Outros elas colocavam orelhinhas de cartolina revestida de algodão e desenhavam o rosto de um coelhinho, certa vez minha tia Bita fez em crochê o chapéu do Chaplin e o Alfredo fez o rostinho. Elas faziam um doce de amendoim com calda de açúcar e chocolate, se alguém falar que é pé de moleque tem briga. Sei que tinha chocolate com amendoim, amendoim com açúcar queimado. Eram recheados desses docinhos improvisados. Como meus filhos já passaram dessa fase os ovos aguardam os netos e bisnetos para começarem novamente a aparecer na Páscoa.
Tem sempre uma especial, eternizada na lembrança. Eu nunca me esqueci de tão "encantada" que foi. Mamãe fez  de cartolina uma base oval de uns 40cm e fez as laterais na forma do corpo de um coelho, deixando descolado somente as costas. Recobriu a cartolina com algodão, da piaçava da vassoura fez os bigodes e com botões vermelhos os olhos. Tinha o rabinho e tudo mais. Era lindo. Dentro dele ela colocou bombons, barras de chocolate e os ovos decorados. Daí quando eu acordei no domingo de Páscoa o coelho gordinho estava lá, no chão, próximo a minha cama. Para os meus irmãos ela fazia da caixa de sapato uma cesta enfeitada de papel de seda, era mais discreto acho que por serem meninos. Azar o deles !!!rsrsrs
Lembro-me também que alguns ovos eram apenas tingidos com várias cores, com o próprio papel crepom. Bem esses eram o que nós quebrávamos nas cabeças uns dos outros. Só que o Tio Ed era mais rápido e maior daí que ele sempre carimbava todos nós e nós pulávamos ao redor dele pra tentar quebrar um - claro que isso era feito depois que comíamos o recheio. Mamãe conta que foi meu tio avô Bube que começou com essa "tradição" de quebrar os ovos nas cabeças. Dos ovos trançados só lembro da mamãe e da tia Branca fazendo. Esse ano minha mãe tentou fazer alguns para eu postar mas ela demorou tanto pra fazer  e eu sabia que ela sentia que a parceira dela não estava ali pra dividir o trabalho e a conversa regada com chimarrão e cueca virada. Perto delas, no mesmo cômodo, eu ficava brincando com a Camilinha. Perguntei pra mamãe se tinha algum guardado mas ela não sabia...
Comentei em post anterior que minha tia faleceu antes do Natal e ontem eu estava escrevendo esse post e perguntei pra mamãe se tinha algum ovo mesmo que inacabado, tinha!! Só que a dona da roça é teimosa e não me permitiu postar sem que estivesse inteiramente decorado. Enquanto estou aqui reescrevendo,mamãe está na cozinha utilizando o mesmo ferro de passar roupa usado como apoio. Era um ritual lindo delas eu adorava ficar por perto vendo elas trabalharem. Nem olhavam pros papéis, faziam uma traça fina e gigantesca tagarelando o tempo todo !!kkkkkkk

Como não temos crianças em casa fazemos trufas, stick, brigadeiro gourmet .... mas não tem aquela coisa mágica no ar. Porque o que fazemos hoje é feito aos olhos de todos e elas tinham o cuidado de nunca fazerem perto de ninguém - eu e Camila éramos transparentes !!rsrsrs  Nunca as  vi  encherem os ovos, sei que apareciam recheados no domingo de Páscoa ou  fazendo cestas enfeitadas. A cuca da tia Branca também fazia parte dessa data e os pães também. Meu tio veio passar a Páscoa conosco e entre lágrimas ele sovou as massas. Além disso ficava o tempo todo dizendo que eu tava fazendo muita coisa e bla bla bla e quando chegava a hora de dormir nós dois falávamos até o sono nos vencer.
Putz e a receita de Páscoa, vocês devem estar perguntando....
...também tô pois ele  não anotou nada, o Pedrin fotografou e eu nem vi.
Daí resolvi mostrar algumas fotos do que fizemos e depois vou postando as receitas.
Trufas de: hortelã, limão siciliano, especiarias e a tradicional;
Brigadeiro de cappuccino;
stick de caramelo com chocolate
Ah! Fiz um salmão assado com ervas e risoto de camarão. (não lembro de tirar fotos disso),bom que faço novamente!!kkkkkkkkkk
Peço desculpas mas continuo atolada com meu tratamento então estou sempre entre Taubaté e Itajubá. E continuo tentando estar perto dos que me são queridos: vou pro Rio pra ver meu tio e primos e, agora em maio tem o aniversário do Pedrin em Juiz de fora.
Não sei se esse ritual das duas é herdado de família pois não me lembro da Páscoa na casa dos outros tios. Nessa época morávamos no Rio de Janeiro, éramos uma família pequena mas cheia de rituais que  pertenciam somente a nós e compartilhávamos com os vizinhos e amigos. Nunca tivemos muito mas sempre dividimos..., aprendi cedo, muito cedo que generosidade serve mais pra nos lembrar de como somos iguais, que não tem diferença alguma de nada. Assim eu consigo entender a origem do nome: "passagem através" - Deve ser: através da generosidade e de pequenos gestos  conseguimos alimentar o lado bom que há em cada ser. Vai saber !!






Essa semana começarei a postar as receitas citadas neste post.
Obrigada,
Namastê

8 comentários:

Ricca Bann disse...

Hehehe Como é bom ler isso e relembrar minha infância. Aqui no sul essa tradição continua intacta.. principalmente a parte de quebrar as cascas de ovos na cabeça dos outros depois de comer o amendoim hasuhuas Beijo pra toda a família!!! Ricca!

Gina disse...

Lina,
Feliz de quem tem história e das boas pra contar.
Também cresci num lar onde o artesanato foi muito incentivado. Estudei em colégio de freiras e fazíamos artesanato com muitos materiais diferentes. Minha mãe também fazia muito, mas não tínhamos tradição de páscoa.
Que coisa mais linda o trabalho delas, Lina! Que paciência fazer tudo isso, pra alegria das crianças!! São esses detalhes que fazem a diferença na vida das pessoas, que crescem e jamais esquecem de tudo isso.
Vou acompanhar as receitas que estão por vir. Que delícia de ler seus textos! Bem-vinda e melhoras sempre!
Bjs.

Lina Jehle disse...

Ricca Bann,
viu primo,
tio Bube sempre dando exemplo da alegria!! Esse seu vô é lindo!!!

bjs

Lina Jehle disse...

Gina,
a gente vai vivendo as coisas sem sentir a dimensão emocional que elas ocupam dentro de nós.
Por conta de ter mostrado no Blog o ovo que minha mãe fez pra Tia Branca,..fez com que ela sentisse que não pode deixar de fazer.
E hoje de manhã lá estava ela, próxima a janela, com a trança presa no mesmo ferrinho de passar roupa: trançando. "Porque na próxima Páscoa temos que ter muitos, tenho que começar já" - foi o q ela me disse qdo falei q não precisava mais que já tinha postado um , q dava pra ver direitinho.rsrsrsr
Acho que só agora ela reparou o quão mágico ela fez de cada Páscoa nossa.
Amei minha trufa de hortelã, simples de tudo !!kkkkkkkkkkkkk

Gina disse...

Precisamos falar, colocar pra fora as coisas boas que vivemos. Não temos noção da repercussão que pode ter isso. Para sua tia teve esse efeito mágico, de despertar a vontade de voltar a fazer os trabalhos. Que legal isso!
Hoje estou feliz por participar da iniciativa de "esquecer" um livro em local público. Amanhã eu conto no blog como foi a experiência.
Bjs.

laila disse...

Que preciosidade!!!!! Esta encantador e completamente magico!parabens pela linda familia cheia de lembrancas, historias e mto amor!bjoooo

maria luisa disse...

Oi Lina!!
To pesquisando sobre a tradição de quebrar ovos na cabeça. N minha família de origem alemã era tradição quebrá-los tb depois de comer o amendoim. Muito lindo seu texto e me trouxe doces lembranças da minha infância. Tinha magia pois a gente tb recebia cestinhos decorados de caixas de sapatos ou o coelho feito da maneira q descreveste. Amei!!
Obrigada por compartilhar tuas lembranças.
Bj
Malu

Lina Jehle disse...

Malu,
eu realmente não sei de onde vem isso,..só sei q levei muita casa na cabeça!! heheheh